Primeiro mês

Apenas uma nota rápida, pra lembrar que já faz mais de um mês que estou aqui.

Originalmente minha intenção era fazer um post por semana, mas isso naturalmente acabou se provando impraticável. Entre tudo que eu tenho pra fazer aqui, é difícil sentar na frente do computador com ânimo, paciência e idéias pra arranjar assunto.

Não que não haja assunto. Afinal de contas, a adaptação não é nada fácil.

O clima aqui é bem frio, mas não tão frio quanto eu esperava – pelo menos, não ainda. Já teve alguns dias em que a temperatura chegou a 0°C ou um pouco menos, mas isso não significa tanto assim porque afinal de contas o “zero” nesse caso é só um valor arbitrário que tem mais significado psicológico do que outra coisa. Mesmo assim, é frio pra cacete! Mas não é tão difícil assim se acostumar. Na verdade é até interessante usar tanta roupa assim e não ficar passando calor no meio do dia.

Por que é isso que acontece em São Paulo, por exemplo, no inverno. A gente sai de casa e tá aquele puta frio (tá, pros padrões de São Paulo, mas enfim…). Daí a gente veste duas calças, duas blusas, cachecol, gorro, luva… tudo isso pra um dia que tá fazendo 15 °C. Bom, de qualquer forma, chega o meio do dia e a temperatura chega a 25, 30 graus… e a gente acaba passando calor. Algumas peças ainda dá pra tirar, mas por exemplo se você sai de casa com duas calças não dá pra parar no meio da rua e tirar uma…Sem falar que cada peça de roupa que a gente tira é uma peça a mais pra carregar.

Enfim. Aqui a coisa é meio diferente, porque aqui faz frio de verdade. A gente realmente precisa de duas calças. E não, a gente não vai precisar tirar uma delas durante o dia porque aqui não é questão de 15 a 30 graus, mas sim de 5 a 10 graus, então pode usar duas calças que não vai ficar suado por baixo de toda aquela roupa e chegar em casa fedendo a suor num dia frio. E depois de algum tempo a gente acostuma também. Esses dias por exemplo a temperatura deu uma subida, chegou a 15 °C. Um calor!

Outra coisa interessante daqui é o transporte público. Tem trem e metrô pra tudo que é lado! E tem ônibus também. A passagem vale pra qualquer meio de transporte, não tem essa putaria de “integração” “Bilhete único X BOM”, tarifa extra… vc compra o bilhete e pronto. Sem falar que aqui tem várias categorias de bilhete: quem vai andar dentro da cidade paga bem menos que quem vai pra uma cidade que fica mais longe. Mas esse é assunto pra outro post, que pretendo fazer logo. O sistema aqui é interessante, e levou um tempo até eu entender como ele realmente funciona. Assim que eu conseguir sacar os detalhes escrevo o bendito post e coloco aqui. Esse eu faço questão de fazer porque é importante, a maior parte das pessoas que vem pra cá apanha do transporte público porque não sabe como funciona. Não tem nem catraca, imagine só.

Quanto às pessoas, cada vez que eu viajo pra outro país eu percebo que podem haver diferenças culturais, mas no fundo as pessoas são todas iguais mesmo. Tem todo tipo de gente: legal, antipática, fria, calorosa… algumas coisas são mais culturais, como por exemplo o comportamento das pessoas na rua, ou o fato de sempre deixarem a esquerda livre nas escadas rolantes. Mas mesmo assim conforme o tempo passa a gente começa a ver aspectos menos agradáveis, que talvez eu cubra em outro post mais pra frente, conforme certas situações forem avançando… Por enquanto vamos dizer que gente sem noção vai ser sem noção em qualquer país, e conviver com gente assim é foda.

Pensando bem, até que tem bastante assunto pra escrever aqui… espero poder encontrar tempo pra poder colocar tudo em palavras e ir postando aqui. Felizmente o trabalho vai bem e ocupa bastante o tempo, então não posso prometer nada, pelo menos por enquanto.

Auf wiedersehen!