Adeus Tite

O Tite aceitou a proposta da CBF e vai ser técnico da selecinha brasileira. O comentário do Juca Kfouri, na matéria do link, é lindo. Transmite bem o meu sentimento com relação ao que essa decisão do Tite representa.

Acho a seleção brasileira escrota, um sintoma do câncer conhecido como CBF, que transformou o futebol brasileiro no lixo que presenciamos hoje em dia. Jogadores despreparados, times que contam apenas com o talento individual, torcidas descontroladas, violência generalizada nos estádios (e fora deles). Tudo isso porque a CBF não administra o futebol; o utiliza para seu próprio ganho.

Graças a ela, o Brasil deixou de ser o “país do futebol” há muito tempo. Não temos “grandes times”. Os times que ocasionalmente se mostram fortes e ganham campeonados são prontamente desmontados, já que vender jogadores dá muito dinheiro. Não somos mais o país do futebol; somos apenas fornecedores de mão de obra.

Mão de obra, alliás, desqualificada. Os jogadores brasileiros não têm disciplina, preparo físico nem fundamentação teórica. Muitos largam a escola assim que conseguem a primeira oportunidade em um time. Quando chegam a outros times, têm que passar por uma adaptação na qual devem adquirir essas bases para poder jogar.

Enquanto isso, o calendário do futebol brasileiro continua sendo essa coisa grotesca e estafante, repleta de compromissos nos quatro cantos do país, que gera despesas enormes e cansaço e desgaste físico para jogadores e comissões técnicas.

A seleção brasileira não representa o futebol brasileiro, porque é composta primariamente de jogadores que atuam no exterior. Como se isso não bastasse, há a ingerência da CBF, que interfere no trabalho do treinador. Esse, aliás, sofre com o calendário mais que ninguém, já que os períodos de treino são pequenos o suficiente para serem irrelevantes, e a frouxidão da CBF permite que os clubes impeçam que jogadores sejam convocados.

Caso emblemático é o de agora: a menos de dois meses da Olimpiada troca-se o técnico, como se a simples substituição fosse uma fórmula mágica que, “do dia para a noite”, fosse resolver todos os problemas da “equipe”. Como se, nos próximos 50 dias, Tite fosse ter tempo suficiente para montar um time (que, aliás, deveria ter sido anunciado ontem segundo o cronograma do torneio), fazê-lo se entrosar e criar táticas de jogo para enfrentar os adversários que terá pela frente.

Quanto ao Tite, é uma decepção total ele ter aceitado o convite. Algumas pessoas postaram no facebook “obrigado Tite”. Eu não. Não devo nenhum agradecimento a ele. Seu trabalho no Corinthians foi exemplar, assim como a atitude do clube e, mantê-lo mesmo quando a situação não era boa, principalmente da última vez que ele foi técnico e, por ter tido a oportunidade de manter a continuidade de seu trabalho, acabou “ganhando tudo” (Brasileiro, Libertadores e Mundial).

Tite que até pouco tempo atrás criticava a CBF, “se rendeu”. Perdeu a oportunidade de dar um tapa na cara (muito merecido) da CBF e de Marco Polo del Nero. Perdeu um gol feito, e parte do respeito que tenho por ele.