RIP Steve Jobs

Ok, então Steve Jobs morreu hoje. De fato, é o fim de uma era – esse sujeito definiu o modo como vemos tecnologia hoje em dia, através de uma série de produtos inovadores, que introduziram conceitos que viraram padrão na indústria.

Através da Apple ele foi capaz de ser alvo da inveja dos outros fabricantes, a tal ponto que os recursos que apareciam nos produtos da companhia eram prontamente copiados pelos concorrentes. Amado pelos “macmaníacos” e odiado pelo mundo do PC, ninguém pode negar que o sujeito que foi demitido de sua própria empresa para voltar, triunfante, anos depois, deixa um legado inegável e deixa vazia uma posição de liderança que dificilmente será preenchida tão cedo.

Me pergunto o que será do futuro da Apple agora que seu Guia se foi – mesmo já afastado das atividades da empresa, agora a empresa – e sua nova liderança – terão que arriscar o vôo solo, sem contar com a rede de segurança que sempre esteve ali, “just in case”.

Pessoalmente nunca fui fã das política draconianas da Apple, como a restrição nos formatos de arquivos de áudio suportados pelo iPod ou a resistência em adicionar suporte a Flash no iOS, mas é inegável a característica de inovação e criatividade que sempre foram a marca registrada dos seus produtos. Sem sentimentalismo, a ausência de Jobs não fará diferença nenhuma na minha vida. Mas o seu falecimento prematuro certamente será determinante no futuro da Apple e, consequentemente, da indústria da informática.