Brigando com o WordPress

Agora que estou na Alemanha há mais de um mês, estou tentando dar vida nova a este blog.

Entre as mudanças que estou fazendo, estou (finalmente) organizando as categorias de posts. Isso vai levar um tempo razoável, já que nunca dei muita atenção pra isso, e – pior ainda – fui mudando de idéia com o tempo a respeito do que queria fazer com isso. Ainda mais depois que mudei para o WordPress, e de repente me vi às voltas com categorias e tags. Isso já tem uns dois ou três anos, e só agora acho que finalmente cheguei mais ou menos a um critério sobre o que deve ser uma categoria e o que deve ser um tag… O resultado dá pra ver lá no alto, com as categorias sendo mostradas no menu de navegação do site (que, aliás, é outra coisa para a qual eu finalmente achei uma função).

O que realmente me deu um certo trabalho – e uma imensa dor de cabeça – foi achar um tema razoável. O WordPress começou como uma plataforma para publicação de blogs, mas o próprio conceito de blog mudou muito de lá pra cá. E o WordPress cresceu muito também. Hoje em dia ele é uma ferramenta usada pra manter sites de uma infinidade de tipos diferentes, e de fato ele inaugurou uma nova classe de ferramenta, os tais CMS (Content Management Software). O problema com isso é que achar um tema que implementasse um blog simples, com algumas categorias e uns widgets bacaninhas, foi difícil. Devo ter testado uns vinte temas, todos eles alegando que são customizáveis, simples, elegantes, consistentes, e todos aqueles adjetivos bacanas do jargão de hoje em dia.

O grande problema foi o mau comportamento do próprio WordPress, no fim das contas. Conforme fui mudando de um tema para o outro, enquanto não achava um que fosse adequado, fui tentando customizar, colocando widgets na barra lateral (essa aí da direita, que tem twitter, last.fm, goodreads e outras bobagens). O comportamento da barra foi ficando cada vez mais estranho, até que finalmente ela começou a mostrar os widgets sem eu pedir. Depois de várias buscas infrutíferas no Google e nos fóruns do próprio wordpress, descobri que quando eu removo um tema ele não elimina a barra lateral; em vez disso ele a “desativa”. O problema é que quanto outro tema assume o lugar, ele encontra essas barras e acha que tem que usar. E aí surgem um monte de widgets repetidos, e o site fica esquisito (e irritante pra cacete).

Depois de uma meia hora eliminando todos os widgets expúrios que o WordPress criou, a coisa normalizou. E, quem diria, achei um tema que achei legal: o Gillian, que é o que está ativo agora. Com mais uns plugins espertinhos, customizei cores, fontes e aparências em geral, e estou com o blog agora numa situação próxima do que realmente quero. Ainda tem uns detalhes pra acertar, mas não estou mais com paciência pra mexer nisso hoje, então fica pra outro dia (e se eu me conheço, isso vai ser daqui uns 3 anos).

O próximo passo agora é repassar todas as postagens antigas e acertar tudo nas categorias. Os tags vou deixar mais ou menos como estão, e vou usar como se fossem palavras-chave dos posts. Como se fossem categorias, mas mais flexíveis e idiossincráticos (por falta de adjetivo melhor). E, também, pensar numa imagem melhor pro cabeçalho. A imagem padrão do tema é legal, mas não tem muito a ver comigo. Talvez eu tente bolar alguma coisa… veremos.